Você está aqui: Página Inicial > Páginas Temáticas > Jogos Rio 2016

Jogos Rio 2016

por admin publicado 21/09/2015 16:45, última modificação 26/09/2016 17:22

Entre as ações de preparação da Secretaria de Aviação Civil para os megaeventos esportivos no Rio de Janeiro, está a criação e implementação do Manual de Planejamento do Setor de Aviação Civil – Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 , que contém as diretrizes e orientações de operação para os aeroportos durante o evento. O documento foi desenvolvido pelo Comitê Técnico de Operações Especiais (CTOE), órgão criado no âmbito da Comissão Nacional de Autoridades Aeroportuárias (Conaero), que define normas, procedimentos e fluxos de gestão e operação para áreas como Segurança e Defesa, Recursos Humanos e Treinamento, Melhorias de Conforto, Acessibilidade, Gerenciamento de Infraestrutura e Capacidade.

Além disso, a Secretaria realiza visitas em todos os aeroportos que serão utilizados nas competições, avaliando e oferecendo suporte a adequações necessárias, e realiza o monitoramento e check-list da preparação dos terminais. Além do manual, a Pasta também acompanha os simulados de acessibilidade e de eventos-teste nos aeroportos envolvidos com o evento.

É importante ressaltar que esse trabalho começou desde a Rio+20, em 2012, quando foram testadas a operação aeroportuária para receber VIPs; depois em 2013 com a Jornada Mundial da Juventude, que foi um evento de massa; no mesmo ano ocorreu a Copa das Confederações, onde foi avaliada a nossa rede de aeródromos. Isso habilitou ao Brasil a realizar com êxito a operação para o Mundial da FIFA, em 2014, que foi um evento de massa, com a presença de VIPs e utilizou a nossa rede de aeroportos.

Clique na imagem abaixo para acessar a cartilha.

 

Os números que envolvem a Olimpíada e Paralimpíada são superlativos. Entre os profissionais já alocados na operação dos nove principais aeroportos dos Jogos, está previsto, o treinamento de 17 mil pessoas. Entre eles, estão 2.200 controladores de voo. Somente nos órgãos públicos dentro dos aeroportos, haverá um incremento nas equipes de 45% na olimpíada e 38% na paralimpíada.

Mesmo assim, tudo deve funcionar sem que os horários dos voos comerciais sejam afetados e tudo deve acontecer de forma que os passageiros nem sequer percebam que por trás de sua chegada ou partida há um imenso trabalho para que tudo aconteça como num dia como outro qualquer.